Candidíase Vaginal – Saiba tudo!

Candidíase Vaginal – Saiba tudo!

CANDIDÍASE

Também conhecida por Monoliase Vaginal, a candidíase vaginal é uma infecção ocasionada por fungo, o Cândida ou Monília, que causa um corrimento espesso, grumoso e esbranquiçado, acompanhada geralmente de irritação no local.

Para alguns especialistas, a candidíase não é uma doença sexualmente transmissível, pois pode ocorrer mesmo sem o contato íntimo. Alguns estudos indicam que o fungo pode estar na flora vaginal, assim quando a resistência do organismo cai ou quando a resistência vaginal está baixa pode ocorrer a multiplicação do fungo e a manifestação dos sistemas.

Estudos mostram que alguns fatores são facilitadores dessa micose:

  1. Antibióticos;
  2. Gravidez;
  3. Diabetes;
  4. Outras infecções (por exemplo, pelo vírus HIV);
  5. Deficiência imunológica;
  6. Medicamentos como anticoncepcionais e corticoides;
  7. Relação sexual desprotegida com parceiro contaminado;
  8. Vestuário inadequado (roupas e biquínis molhados: lycra e roupa de academia que aumentam a temperatura vaginal);
  9. Duchas vaginais em excesso.

Entre 20% dos casos de corrimentos genitais de natureza infecciosa têm como causa a Candidíase. Diz-se que 75% das mulheres têm essa infecção pelo menos uma vez na vida.

SINTOMAS

Os sinais mais comuns para essa doença são:

  1. Corrimento esbranquiçado;
  2. Coceira;
  3. Escoriações na região vulvar;
  4. Coloração vermelha na vagina.

Em casos extremos, a candidíase pode causar úlceras.

DIAGNÓSTICOS

Para detectar corretamente a candidíase é necessário um exame clínico, isso porque os sintomas da doença podem aparecer somente no período de fluxo menstrual. O diagnóstico é realizado também pelo exame microscópio, como Papanicolau.

EXAMES

Mais comumente causada pelo fungo CANDIDA ALBICANS, a candidíase é uma doença que pode acometer qualquer parte do corpo humano, mas atinge mais frequentemente os órgãos genitais gerando grande incomodo como coceira, ardência ou dor ao urinar, vermelhidão, dor durante as relações sexuais e corrimento branco e espesso. Ela não é considerada uma DST (doença sexualmente transmissível), pois o fungo vive naturalmente na flora vaginal e só se torna um problema quando se prolifera de maneira desenfreada.

O método diagnóstico mais comum é o exame realizado em consultório ginecológico. O médico, com base nas queixas da paciente e no exame clínico, identifica o tipo de corrimento característico que, combinado aos sintomas presentes e eventualmente após a realização de exames adicionais, caracteriza a enfermidade. O fungo causador no laudo não significa que a paciente tenha candidíase. A bacterioscopia, exame em que a secreção vaginal é analisada em laboratório, também pode auxiliar no diagnóstico.

TRATAMENTOS E CUIDADOS

Para o tratamento da doença são recomendadas medidas simples;

  1. Devem-se evitar vestuários inadequados;
  2. Não praticar duchas vaginais;
  3. Não utilizar desodorantes íntimos;
  4. Abstinência sexual durante o tratamento;
  5. Cremes ou pomadas específicas prescritas pelo ginecologista;
  6. Utilizar camisinha.

CONVIVENDO

A candidíase é uma condição causada pela proliferação excessiva de fungos do gênero Cândida, eles habitam normalmente a flora vaginal em pequenas quantidades. Sua aparição recorrente, na maioria dos casos, pode ser causada por fatores não ginecológicos, como estresse, baixa imunidade. má alimentação ou alguma outra doença. Por esse motivo, quando a candidíase se torna recorrente e a mulher passa a ter que conviver e tratar constantemente o problema, outras causas dever ser investigadas.

Para evitar a candidíase recorrente, além do uso de medicamento de crise, é preciso seguir uma dieta pobre em açúcares e carboidratos, consumir em abundância alimentos ricos em vitamina A e D. Dormir bem e levar uma vida sem estresse também são atitudes fundamentais para se livrar dessa indesejada companheira. Lembre-se que existem outras condições que podem provocar sintomas semelhantes aos da candidíase, somente um ginecologista poderá diagnosticar e decidir o melhor tratamento para cada caso.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.