Células-tronco

Células-tronco

Células-tronco do cordão umbilical: uma decisão no presente – um presente para o futuro

O que são células-tronco?

São células que podem se diferenciar e dar origem a diferentes tecidos no organismo.

Esta é uma capacidade especial porque as demais células geralmente só podem fazer parte de um tecido específico (por exemplo: células do coração só podem constituir coração). Com isso, esta célula exibe um grande potencial de aplicações terapêuticas.

Outra capacidade especial das células-tronco é a auto-replicação, ou seja, elas podem gerar cópias idênticas de si mesmas garantindo uma reserva de células com capacidade de reparo (capacidade de se transformar em diferentes tipos de células).

Estas duas características fazem das células-tronco objeto de intensas pesquisas atualmente pois poderiam no futuro funcionar como células substitutas em tecidos lesionados ou doentes como nos casos de alzheimer, parkinson e doenças cardiovasculares em geral, ou ainda no lugar de células que o organismo deixa de produzir por alguma deficiência como no caso de diabetes.

Como as células tronco são classificadas?

Totipotentes ou embrionárias: são as que conseguem se diferenciar em todos os 216 tecidos (inclusive a placenta e anexos embrionários) que formam o corpo humano.

Pluripotentes: são as que conseguem se diferenciar em quase todos os tecidos humanos menos placenta e anexos embrionários.

Multipotentes: são aquelas com capacidade de formar diversos tipos de tecidos mas não formam as células reprodutivas (espermatozóide e óvulos).

Oligopotentes: aquelas que conseguem diferenciar-se em poucos tecidos.

Unipotentes: as que conseguem diferenciar-se em um único tecido.

As células-tronco totipotentes e plurlpotentes só são encontradas nos embriões e existe uma grande discussão sobre sua utilização pois para obtê-las os embriões devem ser desprezados.

Quais as razões para armazenar células-tronco do sangue de cordão umbilical?

As células-tronco do sangue do cordão umbilical hoje já possuem aplicações reais. Atualmente, elas são utilizadas nos procedimentos de transplantes ou terapia celular para diversas doenças como: leucemias, linfomas, neuroblastoma, retinoblastoma. Além das aplicações atuais, já existem relatos da utilização das células-tronco do sangue de cordão umbilical com sucesso no tratamento de doenças como: diabetes, doenças cardíacas e derrame cerebral (AVC).

Quais as vantagens em armazenar as células-tronco obtidas do sangue do cordão umbilical e placentário?

  • Disponibilidade imediata para uso sem necessidade de busca de doador compatível;
  • Facilidade de coleta;
  • 
Sem restrições éticas;
  • Não há risco ou dor para a gestante ou para o bebê;
  • 
São mais jovens;
  • Não foram expostas a fatores ambientais carcinogênicos, tóxicos ou infecciosos;
  • 
Menor custo para obtenção e disponibilização e;
  • 
Apresentam melhor potencial regenerativo.

Confira a lista de algumas doenças que já foram tratadas a partir da utilização terapêutica das células-tronco do cordão umbilical:

  • Leucemias agudas e crônicas
 (síndrome mielodisplásica);
  • 
Linfomas;
  • 
Anemias;
  • Doenças mieloproliferativas;
  • Doenças do sistema imune;
  • Doenças fagocíticas;
  • Mieloma múltiplo;
  • Neuroblastoma
;
  • Retinoblastoma
;
  • Erros inatos do metabolismo
, mucopolissacaridoses
, leucodistrofias
 e doenças lisossomais;
  • 
Doenças do sistema nervoso central, esclerose múltipla
 e;
  • Lesão raquimedular.

Laboratórios estruturados para armazenagem de células-tronco

A Cryopraxis possui a maior capacidade instalada de armazenamento do Brasil e da América Latina. É uma das maiores do mundo. Todos os dados, de todas as amostras armazenadas, são monitorados e registrados. Tudo é controlado por sistemas automatizados e seguros. Realiza:

  • Coleta;
  • Transporte;
  • Processamento e;
  • Criopreservação.

Para mais informações, visite: www.cryopraxis.com.br

A CordVida traz para o Brasil a mais avançada tecnologia em armazenamento de células-tronco do sangue do cordão. Realiza:

  • Coleta;
  • Transporte;
  • Processamento e;
  • Criopreservação.

Para mais informações, visite: www.cordvida.com.br

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.